Padre António Valente Pereira celebra Bodas de Ouro Sacerdotais

Missa foi celebrada no dia 29 de Julho no Santuário de Nossa Senhora da Paz, e no final foi apresentado e lançado um novo livro da autoria do próprio

       O Padre António Valente Pereira, sacerdote da Sociedade Missionária da Boa Nova, e nosso conterrâneo, nascido no Lugar do Barral, desta Paróquia de Vila Chã S. João, está, este ano, em ano jubilar, celebrando as suas Bodas de Ouro Sacerdotais, isto é, os 50 anos da sua ordenação presbiteral, e de serviço à Igreja, na actividade missionária, nomeadamente em Angola. Para a celebração das Bodas de Ouro, o Padre António Valente Pereira presidiu à celebração da Eucaristia, concelebrada por vários sacerdotes da mesma ordem missionária e outros sacerdotes amigos que se lhe associarão, no dia 29 de Julho, às 14h30, no Santuário de Nossa Senhora da Paz. De destacar que no final da Eucaristia, o Padre António Valente Pereira apresentou e lançou ao público um novo livro da sua autoria intitulado “Devoção ao Imaculado Coração de Maria à luz da Mensagem de Fátima”.

            O Padre António Valente Pereira nasceu no dia 27 de Março de 1943, no Lugar do Barral, desta Freguesia de Vila Chã S. João Baptista. Depois dos estudos do ensino primário, ingressou, em 1955, no Seminário das Missões de Tomar da Sociedade Missionária da Boa Nova. Frequentou, se seguida, o Seminário de Sernache do Bonjardim, e por fim, o Seminário de Cucujães da Sociedade Missionária da Boa Nova onde completou os seus estudos filosóficos e teológicos. Foi ordenado presbítero a 28 de Julho de 1968 na Igreja do Seminário de Cucujães, e cantou Missa Nova no dia 11 de Agosto do mesmo ano na Capela de Nossa Senhora do Amparo, no Lugar do Barral, desta Freguesia de Vila Chã S. João, sua terra natal.

            Logo após a sua ordenação, ficou colocado no Seminário de Cucujães como formador. Em 1977, a 28 de Junho, partiu para as missões em Angola, onde se manteve em pleno trabalho missionário durante 40 anos. Trabalhou em 3 Dioceses diferentes: primeiro, na Diocese do Novo Redondo (hoje designada por Diocese do Sumbe), onde trabalhou em diversas paróquias durante cerca de 18 anos. Depois, a partir de 1995, na Arquidiocese de Luanda ao serviço da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Nova, que pertence ao município de Viana (hoje Diocese de Viana por desmembramento da de Luanda) durante 22 anos até ao ano transacto de 2017, de onde regressou a Portugal, ao Seminário de Cucujães por motivos de saúde. Actualmente está no referido Seminário de Cucujães com a nomeação de Confessor.

            Profundo devoto de Nossa Senhora da Paz, a quem atribui um milagre que lhe salvou a vida em Angola, quando foi atingido a tiro a caminho da missão em 1991, durante a Guerra Civil em Angola, escreveu em 2009 o livro “Santuário de Nossa Senhora da Paz”, uma edição da Confraria de Nossa Senhora da Paz, onde faz um resumo sobre a história da Aparição, do Pastorinho Severino Alves, e do crescimento do Santuário de Nossa Senhora da Paz, e onde testemunha o milagre que lhe salvou a vida em 1991 em Angola e o atribui à intercessão e protecção de Nossa Senhora da Paz; e escreveu neste ano de 2018 o livro “Devoção ao Imaculado Coração de Maria à luz da Mensagem de Fátima”, que será apresentado e lançado no final da Eucaristia comemorativa das suas Bodas de Ouro, no próximo dia 29 de Julho, e cuja receita das vendas reverterá na totalidade para a obra missionária em Angola.

            Homem e Padre incansável, de um profundo amor à causa missionária, nomeadamente a Angola. Sempre que vinha a Portugal à sua terra natal em visita à família, nem aí parava para descansar, sempre a trabalhar para a Igreja de Jesus Cristo em colaboração próxima com o Pároco da sua terra, ajudando-o em todos os serviços pastorais necessários, nomeadamente na Paróquia da sua terra natal Vila Chã S. João Baptista e na Paróquia vizinha de Vila Chã S. Tiago. Testemunham os habitantes destas paróquias, seus conterrâneos, que sempre que chegava à sua terra, já sentia saudades das gentes das suas paróquias de Angola onde trabalhava e das crianças que lá ficavam, muitas vezes em situações precárias, e que não via a hora de regressar a Angola novamente. Por isso, das inúmeras actividades pastorais que desenvolvia na sua terra natal, com a devida autorização do Pároco, a sua preocupação foi sempre pedir e angariar fundos monetários para ajudar a obra missionária em Angola, o que diz bem do seu profundo amor à causa e ao espírito missionário. 

      No final da Eucaristia, o Sr. Padre António entregou a Nossa Senhora da Paz a bala, que lhe foi retirada da coluna, com a qual foi atingido no atentado que sofreu em Angola.