COVID-19 | ENCERRAMENTO DO SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PAZ

Perante a situação atual, atendendo às indicações da Direção Geral de Saúde e tendo em conta o Plano de Contingência do Município de Ponte da Barca, a Confraria de Nossa Senhora da Paz apela a que todos tenham em conta as seguintes indicações:

1. Estão suspensas todas as celebrações do Santuário.

2. Não estão autorizadas peregrinações e/ou visitas em Grupo ao Santuário de Nossa Senhora da Paz

3. O Santuário de Nossa Senhora da Paz encontra-se encerrado.

Por indicação da Conferência Episcopal Portuguesa:

4. Todas as Celebrações da Eucaristia comunitárias estão suspensas.

Por indicação da Direção Geral de Saúde:

5. Todos devem adotar os cuidados de higiene divulgados pela Direção Geral de Saúde e tudo fazer para evitar ao máximo a exposição pública e a permanência em locais públicos, onde as possibilidades de contágio são maiores;
6. Sem cair no alarmismo, devemos ter bem presente que devemos ter em conta os cuidados recomendados que favorecem a saúde pública. É importante, por isso, a colaboração e cooperação com o que as autoridades públicas nos propõem.

Estas medidas serão avaliadas de acordo com o desenrolar da situação e de acordo com as orientações tomadas pela Direção Geral de Saúde e pela Conferência Episcopal Portuguesa.


Publicamos de seguida normas da Igreja contra a pandemia do Coronavírus.

     Em virtude da gravíssima pandemia mundial, extremamente contagiosa, do novo Coronavirus (Covid-19) e acatando as decisões emanadas pelas autoridades eclesiásticas (os nossos Bispos), acerca das atitudes e atividades da Igreja que podem ser de risco de contágio, e que se baseiam nas orientações da Organização Mundial da Saúde, e da Direção Geral da Saúde em Portugal, a autoridade da Igreja recomenda muita prudência. Por isso, fazemos saber que:

a) Todas as Celebrações da Eucaristia comunitárias estão suspensas.

b) Em caso de funeral, só a família mais próxima pode estar na Casa Mortuária;

c) É obrigatória a suspensão de todas as atividades da catequese e de grupo de jovens (a catequese só regressará após a Páscoa, e se as condições o permitirem);

d) São proibidas todas as formas de procissão;

e) A Páscoa: a cruz pascal não deve ser apresentada, como é costume, para o beijo ou saudação com a mão. Pode-se, contudo, venerar a Santa Cruz com o gesto da inclinação profunda. A cruz pascal vai ser aparelhada este ano, como de costume, para a Páscoa, e ficará somente em cima do altar para veneração dos fiéis com a inclinação. Mas este ano a Visita Pascal está cancelada, pelas razões óbvias, e todos compreenderão bem porquê. Cada família no aconchego do seu lar, como “Igreja doméstica”, saberá viver este momento como verdadeiro encontro com o ressuscitado.

f) As habituais confissões em tempo quaresmal estão canceladas. Estas deverão acontecer no tempo Pascal, se as condições já o permitirem.

g) A visita aos doentes, habitual nesta época, fica também cancelada.

Conclusão: encontramo-nos numa situação extraordinária, excecionalmente muito grave, e é missão de todos evitar qualquer forma de contágio, com atenção redobrada para conter este problema de saúde pública, mas sem alarmismos. Rezemos ao Senhor, que por mediação de Sua e nossa Mãe, se compadeceu de todos os frágeis e doentes, para que dê alívio e cure todos os infetados, anime os que deles cuidam, ajude os investigadores a encontrar os meios de cura, e a todos nos dê saúde para evitar que a doença se espalhe, e acorramos à intercessão poderosa de S. Sebastião que nos livre da peste e do contágio.

Informações Úteis:
Direção Geral da Saúde (dgs.pt)
Conferência Episcopal Portuguesa (conferenciaepiscopal.pt)