REV.MO CÓNEGO PROF. DR. AVELINO DE JESUS DA COSTA

          Cónego Avelino de Jesus da Costa ou Padre Avelino, como gostava de ser tratado na altura, foi o principal promotor do Santuário de Nossa Senhora da Paz.

          Nasceu no lugar do Barral, Vila Chã S. João Baptista, no dia 4 de janeiro de 1908. O pai trabalhava em Lisboa nos Caminhos-de-ferro, como guarda noturno, e deste modo levou para lá a esposa e os seus filhos. Eram paroquianos de Santa Madalena, Paróquia onde Avelino e a sua família continuaram a viver plenamente o cristianismo e que fica perto da Sé e da casa onde se diz ter nascido Santo António.

          Avelino tinha dois irmãos e fora o último a nascer. Assim, mesmo frequentando a instrução primária trabalhava também nos afazeres domésticos, nomeadamente a carregar água do fontanário público.

          D. Margarida, que lecionava numa escola perto do Castelo de S. Jorge, foi sempre a sua professora até à quarta classe, o término da instrução primária. Quando soube que Avelino possuía vocação, esta juntamente com outra sua colega, de nome Antónia, natural de Moledo do Minho, ofereceram-se para lhe pagar todo o enxoval, de que necessitava para entrar no Seminário, pois este era de uma família pobre. Ingressou no Seminário de Braga a 7 de janeiro de 1920, tempo em que todo o Minho pertencia à Arquidiocese de Braga. No seminário era conhecido como jovem muito amigo da verdade, de modo que até havia um superior que dizia: “se Avelino falou, essa é que é a verdade!”. Em 1928 terminou Humanidades com distinção e, por conseguinte, foi mandado para Roma a fim de frequentar a Faculdade de Filosofia da Universidade Gregoriana, onde obteve o grau de bacharel.

          Tempos depois, a 15 de agosto de 1933, depois de já regressado a Portugal por motivo de doença, foi ordenado sacerdote e foi nomeado para professor do Seminário Menor, onde lecionou durante 10 anos e sempre foi recordado como um bom professor.

          Entretanto, era também em Braga capelão das irmãs Teresianas e anos depois, com o fim da Segunda Guerra Mundial, recebeu no Barral uma pequena refugiada austríaca (das muitas vindas para Portugal) e zelou para que nada lhe faltasse vivendo esta à sua responsabilidade, durante dois anos, até então esta regressar à nação.

          Avelino licenciou-se ainda em Ciências históricas e Filosóficas, em 1951, com a tese “calendários Portugueses Medievais”, passou a lecionar, em 1952, na faculdade de Letras. Mais tarde, em 1960, apresentou a tese: “O Bispo D. Pedro e a organização da Diocese de Braga”, em 1971, ascendeu a catedrático em Coimbra, a outubro de 1972, foi nomeado Cónego da Sé de Braga, em 1974 criou o “Instituto de Paleografia e Diplomática” e ainda nesse mesmo ano foi nomeado membro da Academia Portuguesa de História. Com isto e por esta altura passou a se debruçar e a analisar as “Aparições do Barral” a pedido de, nomeadamente, historiadores de Fátima, o que o levou a aprofundar o assunto e a se convencer a ele mesmo sobre a veracidade dos factos.

          Escreveu 70 monografias, incluindo obras de coautoria, 277 artigos em publicações periódicas, de onde se destaca o boletim bimestral “Mensagem de Paz” do qual era diretor e chefe de redação, e 213 artigos em dicionários e enciclopédias. Foi ainda, tal como dito anteriormente, o grande dinamizador e promotor da devoção e das obras no Santuário de Nossa Senhora da Paz apesar da oposição não compreendida dos sacerdotes, da altura, tanto de Braga como de Viana do Castelo.

          Avelino faleceu a 17 de outubro de 2000, com 92 anos de idade e desde então os seus restos mortais encontram-se sepultados no cemitério do Barral, lugar donde era natural. 

                                                    

Padre Avelino à conversa com D. Armindo, Bispo de Viana do Castelo e com o presidente da Câmara de Ponte da Barca, Dr. Cabral Oliveira.
Homenagem dos primeiros alunos do Curso de Humanidades no Seminário de Braga, ao Cónego Professor Avelino de Jesus da Costa.