REV.MO CÓNEGO PROF. DR. AVELINO DE JESUS DA COSTA

          Cónego Avelino de Jesus da Costa, Padre Avelino como gostava de ser tratado na altura, foi promotor do Santuário de Nossa Senhora da Paz.

          Nasceu no lugar do Barral, Vila Chã S. João Baptista, no dia 4 de janeiro de 1908. Seu pai, António José da Costa era natural de Santa Azias, atualmente chamada apenas de Azias, e sua mãe, de nome Antónia Maria Gonçalves, era natural do Barral.

          O pai trabalhava em Lisboa nos Caminhos-de-ferro, como guarda noturno, e deste modo levou para lá a esposa e os seus filhos. Eram paroquianos de Santa Madalena, Paróquia onde Avelino e a sua família continuaram a viver plenamente o cristianismo e que fica perto da Sé e da casa onde se diz ter nascido Santo António.

          Este tinha dois irmãos: António, o primeiro, e Manuel, o segundo. Avelino era, portanto, o terceiro filho e este, mesmo frequentando a instrução primária trabalhava ainda nos afazeres domésticos, nomeadamente a carregar água do Fontanário Público, visto que em casa não a havia mesmo sendo esta no rés-do-chão.

          D. Margarida, que lecionava numa escola perto do Castelo de S. Jorge, foi sempre a sua professora até à quarta classe, que era o término da instrução primária. Quando soube que Avelino possuía vocação, esta juntamente com outra sua colega, de nome D. Antónia, natural de Moledo do Minho, ofereceram-se para lhe pagar todo o enxoval, de que necessitava para entrar no Seminário, pois este era de uma família pobre.

          Avelino ingressou no Seminário de Braga a 7 de janeiro de 1920, tempo em que o Minho todo ainda pertencia a Arquidiocese de Braga. No seminário era conhecido como jovem muito amigo da verdade, de modo que até havia um superior que dizia: “se Avelino falou, essa é que é a verdade!”. Este em 1928 terminou Humanidades com distinção e, por conseguinte, foi mandado para Roma a fim de frequentar a Faculdade de Filosofia da Universidade Gregoriana, onde obteve o grau de bacharel.

          Tempos depois, a 15 de Agosto de 1933, depois de este já ter regressado a Portugal por motivo de doença, este foi ordenado sacerdote e foi nomeado para professor do Seminário Menor, onde lecionou durante 10 anos e sempre foi recordado como um bom professor.

          Entretanto era também em Braga capelão das irmãs Teresianas e anos depois e com o fim da Segunda Guerra Mundial, recebeu no Barral uma pequena refugiada austríaca (das muitas vindas para Portugal) e zelou para que nada lhe faltasse vivendo esta à sua responsabilidade, durante dois anos, até então esta regressar à nação.

          Avelino licenciou-se ainda em Ciências históricas e Filosóficas, em 1951, com a tese “calendários Portugueses Medievais”, passou a lecionar, em 1952, na faculdade de Letras. Mais tarde, em 1960, apresentou a tese: “O Bispo D. Pedro e a organização da Diocese de Braga”, em 1971, ascendeu a catedrático em Coimbra, a outubro de 1972, foi nomeado Cónego da Sé de Braga, em 1974 criou o “Instituto de Paleografia e Diplomática” e ainda nesse mesmo ano foi nomeado membro da Academia Portuguesa de História. Com isto e por esta altura passou a se debruçar e a analisar as “Aparições do Barral” a pedido de nomeadamente historiadores de Fátima o que o levou a aprofundar o assunto e a se convencer a ele mesmo sobre a veracidade dos factos.

          Escreveu 70 monografias, incluindo obras de coautoria, 277 artigos em publicações periódicas, de onde se destaca o boletim bimestral “Mensagem de Paz” do qual era diretor e chefe de redação, e 213 artigos em dicionários e enciclopédias. Foi ainda, tal como dito anteriormente, o grande dinamizador e promotor da devoção e das obras no Santuário de Nossa Senhora da Paz apesar da oposição não compreendida dos sacerdotes, da altura, tanto de Braga como de Viana do Castelo. ”

          Avelino faleceu a 17 de outubro de 2000, com 92 anos de idade e desde então os seus restos mortais encontram-se sepultados no cemitério do Barral, lugar donde este era natural. 

                                                    

Padre Avelino à conversa com D. Armindo, Bispo de Viana do Castelo e com o presidente da Câmara de Ponte da Barca, Dr. Cabral.
Homenagem dos primeiros alunos do Curso de Humanidades no Seminário de Braga, ao Cónego Professor Avelino de Jesus da Costa.